quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Vida à meia-praia

O Sol quente recebe-me convidando
À meia-praia com o mar saboreando
A areia que se envolve nos meus pés
Fazendo ternuras salgadas de cor grés...


Longe d'aqui sinto a brisa esperada
Refrescando a Alma no sentimento.
Já não deve tardar uma nova alvorada...
Serás tu a promessa deste momento?


A Arte que me protege
Esconde o que possa sentir
Nas leis pelas quais o coração
Sempre e inevitavelmente se rege.
De que me vale fugir ou mentir?

Escapar da meia-praia não quero!
A areia atrasa-me no andar,
O coração pede-me para continuar,
Perdendo-me no mar inexorável
E esperando pela Felicidade provável...

Sem comentários: