sábado, 27 de fevereiro de 2010

Porque choras?

DSC07387
Porque choras?
Porque dizes que sozinha
E abandonada te deixou,
Correndo sem demoras
Para um "longe" que definha,
Roubando o teu coração que ele levou?

Porque continuas vivendo
O merecer ou não do que morreu,
Sabendo tu, que não é seu
Direito, o de te magoar, horrendo
E insensível, a tua essência?

Porque continuas?
Porque definhas tu também,
Sabendo que há campos para além
de muros quando bastavam umas ruas
de intervalo?
Não queres enterrá-lo?
Não o queres esquecer?

Esquecer o coração, mas não Tu!
Onde está o Amor-próprio?
Sabes que ele to roubou e maltratou,
Ao te habituar, qual vil ópio,
À sua falsa presença!
Para viveres, dele não precisas licença!!!

Não sabes que Amar
É mais que compromisso?
Sem que com isso
Se transforme num agrilhoar!
Sabes o que é compromisso?
Sabes o que é responsabilidade?
Sabes sofrer?
Sabes confrontar a verdade?
Sabes caminhar erguida em ti
Com um sorriso, o qual eu já to vi,
E... simplesmente, Viver?

Não sabes o que mereces?
Acho que sabes... porque não esqueces?
Porque é que ainda imploras?
É óbvio?
Então... Porque choras?

Para a Fat. que nestes dias tem sofrido tanto, e cujo sofrimento me causa tanta preocupação, como uma faca de 2 gumes… o Fla. é meu amigo, mas porr@… merece um chuto no r@bo ficando lá dentro a bota…

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

A famosa Regra “K.I.S.S.”

KEEPITSIMPLESTUPID

Não… não é a regra de “beijar”… nem tão pouco uma referência a alguma regra elaborada por certa banda de música pop do século passado.

É uma regra que me foi ensinada por uma pessoa, uma grande Mestre, que eu estimo muito e que me ensinou muito quer na esfera profissional quer na pessoal. A esta hora ela deve estar a rogar pragas directamente do seu doutoramento na Suécia por, ao fim de 3 anos passados, eu ainda não lhe ter dado uma cópia da minha primeira obra literária (a minha tese de licenciatura… shame on me…). Foi ela que ma corrigiu e me ajudou a defender, já merecia…

Bem… as pragas, apesar de enviadas de longe, de vez em quando batem-me na consciência com a tal regra “K.I.S.S.”

“K.I.S.S.” não é mais do que um acrónimo inglês para “KEEP IT SIMPLE, STUPID!!!

Eu sei… o que isto tem a haver com a actualidade… É simples! Eu estou farto de gente que COMPLICA demasiado em cousas que devem e sempre foram simples!!! Mas a merd@ acontece sempre quando estou a trabalhar com certas e determinadas pessoas que ainda hoje me pergunto: “como é que esta gente conseguiu tirar um curso no ensino superior?!?!?” (atenção… Eu trabalho mesmo com pessoas assim!)

Só para verem um exemplo da situação adaptada ao dia-a-dia que todos podem perceber mesmo sem um curso “superior”. Imaginem que vocês vêem um avião no céu e dizem:

- “lá vem um avião…”; logo ficava por ali a conversa… mas NÃO! Respondem logo com um:

- “não é bem bem um avião, é um cilindro afunilado nas duas pontas, com asa única em delta, com uma capacidade de sustentação que lhe permite… ora vejamos… voar? será? mas tem motores não tem? Deixa-me verificar… Será que estas hélices também dão para andar no oceano? Pois! É isso! Também serve de barco e isso é uma verdade absoluta porque também tem leme, pelo menos é o que capitão deste veículo diz! Mas espera… também tem ar pressurizado, o veículo pode subir e descer, e quando tem acidentes dão coletes salva-vidas… LOGO só pode ser um submarino porque à bocado descobrimos que tinha hélices!… Espera… no fundo, se voa, navega e submerge, é portanto um anfíbio!”

Para finalizar responde essa pessoa com tom autoritário:

- “Henrique, como podes dizer que isto é um avião?! Tu és burro ou quê? É um anfíbio e é uma verdade absoluta porque eu sou mais que tu e estudei mais que tu sobre esse assunto!”

MAS TÁ TUDO MALUCO?!?!? Terei entrado na “Twillight Zone” em vez do meu emprego?!

KEEP IT SIMPLE STUPID!

Um bem haja a todos!

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

“Post maxima nubila Phoebus”

P9030715Pensei, e sonhei...
Pensei, e sonhei...
Senti, e perdi...
Idealizei, de mim fiz refém...
Arrisco, mas... periclitante...
Cheguei por vezes a dizer somente: "não obstante"

Foram episódios passados
Onde o Sol e a Lua se misturaram
Em sequências e bailados,
Que nos dias me ofuscaram
O que deveria ter vivido mais
Sentido mais...

Agora...

Depois de tantas tormentas,
Tanta dor,
Tantos enganos,
Tanto inútil furor,
Tantos profanos
Entendimentos…
A minha natureza encontrou Luz!

Assim, tão real…
Tão presente!
Tão despretensiosa!
Num gesto de veludo que se sente,
Em tão grande Amor, tão prodigiosa!

Abro os olhos na claridade,
Ainda rarefeito na confiança,
E no "simples" vejo
A beleza que com os meus lábios beijo
E sorrio, de abraço apertado
À volta do que passa ao lado
De tantos, na procura do bem maior
(Uma estória que já soube de cor…)

A felicidade está aqui e agora!
Em tudo que mexe e no que é banal.
Outrora nunca pensaria que o Sol
Assim, nada teria de especial...

“Depois da máxima escuridão, o Sol”

Depois da Tempestade, vem a Bonança”

(Alain de Lille, Liber Parabolarum)

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

“Nelumbo nucifera”

08022010035

Mais uma produção minha, outra vez a acrílico, mas com o máximo de carinho…

Fiz esta pintura a pensar no meu mais que tudo, no entanto, a obra já estava prometida aos meus tios, bons apreciadores de arte e grandes apoiantes de tudo o que tenho feito na minha Vida até hoje, se bem que por vezes de uma maneira um pouco estranha…

Não é o caso desta espécie de flor-de-lótus, mas na família das Nymphaeaceas existem algumas espécies (que abundam no rio Nilo, por exemplo) que têm a particularidade
de as suas flores se abrirem durante a noite…

“Como se pretendessem mostrar a sua beleza à noite numa meditação tranquila no espelho de água junto à lua prateada…”

 

Faço desenhos na minha mente…
Combinando cores da lama nascidas,
Renascendo na pureza de quem é crente
No Bem que fazes, pintando o Bem que precisas.

A cada passo teu de Ninfa, brotou uma flor,
Simples e tão sublime no que alcanças!
Mas foges da realidade que trás dor,
…Esperando o que te dá esperanças…

Com esse Lótus que olhas nas tuas mãos
Em busca da tão desejada transcendência,
Sem pensamentos singularmente vãos,
Juras ter a independência na tua essência
Que é a Vida!…

Esse bem tão estimado e precioso
Como as pétalas desse Lótus tão deleitoso
Para o teu terno olhar, exortação
Do que é teu por direito, no teu coração!

“Hoje, apeteceu-me fazê-lo…”
Dizes-me tu… Queres partilhar?
Sei que é a meditação que esperas alcançar…

Sopro um leve beijo aveludado,
Abrindo a tua alma tal como o “retiro” é outorgado
No Lotús da tua essência mais esquiva,
Aprendendo tu, a Viver a “cura” tão merecida.

LOVE YOU!

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Hoje tou assim…

DSC07789

Simplesmente desejoso de tempos de calma, de puro relaxamento, a ouvir o som do universo e a sentir o “dourado” das cousas pequenas da Vida e que, inevitavelmente, nos fazem tão bem…

Já estou um pouco esgotado de toda a azáfama da Vida do dia-a-dia, sempre a trabalhar, sempre com projectos em mãos, com tempo para tudo menos para aquilo que realmente interessa: VIVER!

Ai… o futuro dos dias que espero com ansiedade,
Com o desejo de se tornarem ansiolíticos!
Faço hoje todos os esforços míticos,
Navegando pela areia que me prende como a Verdade,
A verdade de quem ainda não tem… FÉRIAS!!!
Só queria umas horitas etéreas
Eternas… talvez não… Parar é morrer
E PORR@… ainda tenho MUITO p’ra VIVER!

(sim, ninguém me dá ordenado sem que eu trabalhe em troca… Não posso deitar fora toda a minha qualidade de vida… É pouca, eu sei, mas é muita relativamente a quem não tem nada…)

Deixo-vos com mais um momento congelado e bem… dourado! =)

DSC07784

Só para abrir o apetite para quem, como eu, precisa de férias, ou mesmo de quem já espera o tempo mais ameno.

Um bem haja a todos!