terça-feira, 23 de outubro de 2007

Redundância

Já pensei na redundancia
Do "Eu" verdadeiro:
Um tijolo do banal esteiro
Que é esta sociedade.
É um facto, uma estúpida estancia
De fachadas e cinismo turístico.

Não se reconhece quem nos quer
Bem ou mal, estamos sujeitos
Aos nossos erros ingénuos e defeitos.
Somos alvo de olhares indiscretos
E afastados de comentários secretos.

No fundo dependemos de nós mesmos
Lutamos por melhor sermos
Num mundo mesquinho e ciumento.
(Acima de tudo é isso que lamento!)

É esta redundancia que evito a custo!
Pertencer ao comum desgraçado.
Por isso quero ser mais do que susto
E fugir da vida enfrentando o chão sem calçado.

É duro, e feio, magoa a alma...
Mas ganha-se calma
Esperança na paz interior.
Sem problemas e possivelmente nem dor.

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Unidade

Dizem que verdadeiro Amor
É dificil de encontrar...
Dizem que também não é tão "Furor",
Mas mais a capacidade de Amar!

No sentimento do conceito
E na partilha sentida e amada
Há a maior felicidade idealizada!
E dois, nisto, estarem juntos, é grande feito!
É na dualidade que se juntam,
Tornando o separável numa Unidade.

"Felicidades!", é o que se ouve por aí
com semblante de criança que se ri,
Celebrando o mútuo sentimento,
Por um eterno e inefável momento!

Redefinem o verbo "Amar",
Dizendo "Sim!" a um belo conceito de Vida
Comungando em alma sentida
Num belo doce olhar!

Para a Patrícia e o Miguel

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Parabéns!

In this day that blooms clearing the haze,
A little sunflower have finally blossom!
It makes me stand in gaze
While I whisper a big "Awesome!"

Within her sparkling and twinkling eyes open wide,
I see the colours of the rainbow!
They stunned me where I stand, but softly as a slow tide.
You're full of happinness and I hope you can keep it so!

Save my words, 'cos they'll freeze this time to you,
Just like a flashback of your life,
And then you'll have something to recall.
I'm sure that I'll be remmembered too!
In the past you'll never stall!

Now I can't say anything right!...
Nevertheless I still can write.
And, what could I have more to say
Than my wishes of a happy birthday?!

Beijos minha linda! ;) * * * * *

terça-feira, 21 de agosto de 2007

Para Ti!

Um girassol no meio do campo.
Um céu comum a outros tantos.
Um coro de luz brilhante num doce canto,
Faz parecer pouca a voz que levanto!


Mas a flor que nasce e resplandece,
(Que à luz do sol quase ouro parece)
É fruto das vicissitudes da Vida.
Mas feliz e emproada às dificuldades
Canta a prosa cantada e lida
De grandes Felicidades!
Puras Verdades!


Ao Sol dá um terno beijo...
Retribuído com calor revigorante,
Qual atencioso amante!
E... Afinal, és tu a Flor que vejo!
Num doce beijo...!

terça-feira, 14 de agosto de 2007

Cidade

A cidade que me acolhe
Trata-me com festa e pompa:
A vida pulula a cada canto
À noite debaixo de luz tonta.
A maresia teima e não recolhe
Debaixo do estrelado manto.

É engraçado ver as pessoas,
As crianças com risadas.
A noite na cidade trás cousas boas.
Felicidades imaginadas
Julgo eu na minha ingenuidade.

As vizinhas, como eu, observam,
Sem café ou cigarro, a cidade.
É a cidade de pessoas forasteiras
Que no Verão, como eu,Se vêem por estas beiras!

terça-feira, 31 de julho de 2007

Síndrome Calimero

Ainda se lembram daquela série de desenhos animados cujo principal personagem era o "Calimero"? Sim! Aquele pinto preto (não que seja racista) que ainda tinha restos da casca, de onde nasceu, na cabeça de uma forma mesmo estúpida. Lembram-se provavelmente da sua célebre frase que parvo do pinto fazia questão de deixar em todos os episódios que era "isto só me acontece a mim...!"...

Pois bem, há pessoas que se idenficam com o célebre pinto estúpido, pela sua característica forma de mostrar que é um coitadinho, que tudo lhe corre mal, e que o mundo só lhes cai em cima e de mais ninguém. Esta imagem pode ser transparecida de modo consciente só para chamar a atenção ou de modo inconsciente por ignorancia dos problemas alheios e decerto mais graves. É um grave problema psicológico e tem direito a ser descrito como um síndrome, uma verdadeira condição patológica!

Isto pode parecer uma auto-crítica bastante acertada porque eu até à pouco tempo era um calimero inconsciente dessa condição. Tive ajuda e agora tou em fase de recuperação... Este síndrome, que infelizmente não é descrito nos anais da psicologia requer como tratamento uma boa dose de estalos e portas no nariz de forma a acordar para a dura realidade: há sempre alguma m*rda que acontece nas nossas vidas. Convém é não dar importancia a essas m*rdas e seguir a vida sem dizer "isto só me acontece a mim", caso contrário as pessoas que sofrem deste síndrome acabam por acabar na redundância e saturar quem até tem paciencia para ouvir os lamentos característicos.

Amigos e estimados leitores... ajudem estes pobres "coitadinhos" que não o são. É só uns estalos e uns murros no estômago para acordarem! Nada mais simples!

Como disse tou em fase de recuperação... já agora aproveito a oportunidade para lançar um referendo sobre o mesmo: Estarei curado? (referendo reservado a quem realmente me conhece). Se calhar é mesmo um referendo para saber quem realmente me conhece... lol

Bem hajam! =) * * * *

quarta-feira, 18 de julho de 2007

Não Procures, deixa-te encontrar...

Um dia procuras o que mais queres
Ou pensas que te é destinado.
Outro dia descobres que perderes
O que pensavas que querias é triste fado…

Desilusão atrás de desilusão,
De todas as cousas que se calhar
Não passam de sensação,
Sem sentido… A sensação de falhar…

Voltar a abrir os olhos, difícil é.
Mas que remédio! É na fé
De voltar a encontrar
Que tira a razão do procurar!
Sentir que cresce a ansiedade,
Tira a força da felicidade
Que nos aguarda pacientemente…

De que vale a pena procurar um beijo
Ou uma carícia há muito desejada?
Encontrar sabe muito melhor!
“Na espera de encontrar, eu vejo
A pessoa verdadeiramente amada,
E logo sentirei o beijo de cor!”

Um dia pergunta-te se é verdade
Aquilo que procuravas na realidade,
Quando com o espírito incauto encontrares
Por mero acaso numa troca de olhares,

Basta um encontrão!
Sentimentos dantes ignorados,
Desejos negados mas depois desejados!
E quando tu dizias “não!”,
Desdenhavas em vão!

Não negues palavras que possas engolir
Se um dia com elas pode te apetecer fugir.
Também não procures nem negues o verbo Amar…
Encontra-te antes e deixa-te encontrar!

Bem hajam! =) * * * *

terça-feira, 3 de julho de 2007

SENTIR!!!

A brisa da manhã levantou...
O Sol, afável e quente,
Ilumina o rosto lavado
Da minha alma que tanto sente,
E depressa o sentimento se torna alado...

Foge do meu corpo,
Mostra-me o que dantes não via,
Ensina-me sobre a realidade
Do que pensava que sentia,
Elevando-me na mais pura felicidade!

E o ar que me rodeia é meu!
Os barulhos que eu ouço sao música!
Esta loucura saudável é minha!
Embora a minha consciencia seja lúcida
Mas a minha felicidade com isso não definha!

Sinto o calor de um beijo,
Uma mão que, o meu cabelo, afaga,
A pele macia e perfumada
Contra o meu peito, e sinto o desejo!
E no fundo o sentimento!...
Algo que nos vira do avesso
E nos dá novo alento!...

E o coração bate a passo lento...
Sem palavras...
Sem preocupações...
Só dois corações e
Uma cumplicidade...
Num tempo quase parado...

Sinto! Vivo! Num novo vigor encontrado!
Chorar, rir, não interessa!
Não me vou cansar na pressa
De encontrar e voltar a Sentir!

quinta-feira, 28 de junho de 2007

Insónia...

De novo esta condição!...
Vejo as horas a passar,
Tempo de sono perdido,
Com crescente preocupação
E sem sono nem posso sonhar...

A noite é eternamente minha!
Companheira de conversa...
Só a Lua se avisinha
Com algumas nuvens imersa.

Serão vocês fantasmas da minha noite?
Gozam comigo e com a minha situação!
Só quero dormir... mais nada
Só quero pensar em quem me deu a mão...
Me a colocou junto ao coração...
E sonhar com isso!... mais nada

Quero o meu sono de volta...
Na minha noite, no meu descanso,
Com a minha paz interior,
Enfim... a felicidade alcanço!

E o sonho retorna,
Em sono manso...

Bem hajam! Espero que não com os mesmas insónias que eu... :) * * * *

terça-feira, 26 de junho de 2007

Tema para divagar

Outra noite se fez ficar.
Outra noite sem ninguém.
Outra noite de puro ócio.
Mais uma de desdém
Por aquilo que me faz divagar.

Importância não dou,
Nem mesmo ao vazio da noite.
Não há sorriso dócil
E o vento frio na face é açoite.
Incrível! Ao espelho nem mesmo eu sou...

Divago agora com a Lua
Como fundo. Enfim...
Lá ela me há-de compreender!
Impávida, serena, olha pra mim.
Numa rotina nocturna bela, só sua

Bem hajam! :) * * * *

domingo, 24 de junho de 2007

Sentindo-me Bem?!

Já me perguntei
O que vai ser de mim!
Já gostei de ser mais preso, mais dedicado.
Agora vivo a liberdade de fazer o que quero
Sem ligações a pré-formatações,
Com liberdade de construir relações e arte sem nexo
Sem obrigações a rimas forçadas ou modelos fixos!
Como estes versos malditos!!!
Gritos do que eu sinto, gosto, faço ou deixo de fazer!

Gosto de me sentar no sofá e relaxar,
Também de ouvir a minha música ou toca-la.
Adoro sentir-me bem! Fazer a quem quiser exactamente o mesmo!

É egoismo puro! É altruismo e rebeldia ao mesmo tempo!
O Mundo é meu, tal como este ar que respiro!
Tal como os sentimentos que me assombram! Só meus e de mais ninguém!
A partilha existe mas só num mundo onde eu dito as regras!
Onde só entra quem eu quero e quem não se importa!

Cuspo no chão de quem me torce o nariz,
De quem menospreza o que eu dou valor!
Abomino quem se sente superior a tudo e todos,
Sim! Esses que olham para a superioridade dos outros
E não têm a humildade de admitir que há outra pessoa no outro lado
Alguém por quem se deve ter respeito!

Não tou à espera de ser idolatrado, nem tanto ser maltratado
Não quero que se sintam ofendidos com o que eu escrevo,
Não quero que se finjam odiados ou menosprezados com os meus devaneios na minha mente.
Isto não passam de palavras que mal exprimem o que sinto, vejo ou ouço.
A Vida é feita de desentendimentos e desvios de interpretação.
A minha Liberdade assenta no que eu escrevo e na interpretação que eu dou e deixo os outros terem.

No fundo, Sinto-me bem! Talvez com demasiada vivência. Talvez não...
Sem arrepender-me, sem menosprezar o que digo...
Tudo importa, até os estalos que nos dão de vez em quando.
Tou calejado mas...
Mas não me resta responder com sorriso de volta!
Sinto-me bem! É o que me vale.
Obrigado.

Bem hajam! :) * * * *

terça-feira, 19 de junho de 2007

Prisão!

O que é a Prisão?

Prisão é a inevitabilidade do tempo,
Uma certeza candenciada,
Umas vezes a passo lento
Quando nos apetece ser ultrapassada.
Outras vezes rápida
Na inefabilidade dos bons momentos...

Prisão é o sonho de voar
Mais alto que os sonhos!
Tocar a prata e o ouro do luar!
Então sonhamos presos ao chão
Com medo de futuros medonhos
E incapazes de ouvir um "Não"

Prisão é fingir que os sentimentos,
Não são mais que tormentos,
Pensando que nos prendem
Quando de facto nos libertam,
Nos alia aos que também deveras sentem,
Aliança dos que nunca desertam!

Prisão é olhar para o presente
E negar que é falso o que vemos,
Que é improvável o futuro que se sente,
Que é preferível a segurança que hoje temos...

Prisão é um poeta gritar
No meio de palavras interpretáveis!
Gritos encriptados de quem não quer odiar,
Amar, chorar, sonhar, respirar...
Acreditar...

Apenas viver,
Sem prisões,
Felizmente Ser
Livre sem senões!

Bem hajam! * * * *

domingo, 17 de junho de 2007

Chuva

Não consigo dormir...
Levantei-me da cama,
Fui para a janela sentir
O fresco da noite que me chama,
A chuva que no vidro bate...
Para que talvez esta insónia mate.

Não vi mais do que árvores agitadas,
Silêncio em vão interrompido
Pelas gotas de água em folhas molhadas
Numa noite de sono não vivido...

Eu, que até a noite amo!
Aprecio a chuva e o vento!
...Adoro este momento!
De ficar à janela entreaberta
E sorrir à adversidade como cousa certa!

No entanto tenho de dormir...
Da falta de descanso não posso rir...
Fecho a janela e volto ao leito,
Aconchego-me nos lençois a meu jeito,
E mais um esforço faço
Neste meu mundo, neste meu espaço.

"Boa noite..." a mim mesmo desejo.

quinta-feira, 14 de junho de 2007

AAAAAAHhhhhh!!!

Esta é a primeira vez em que uso uma onomatopeia como título de um post. Inédito...
É muito simples o porquê:

Tou xateado!...
O dia até começou mal, já devia tar à espera! Ora eu que adoro chuva (é mesmo, não tou a ser irónico), senti na pele a fúria da Natureza ao sair de casa, do autocarro, do metro e como se não cehgasse, nos derradeiros metros a pé até ao trabalho. Resultado? Fiquei mesmo todo molhado, imundo, e com vergonha por ser o único que não levou chapéu de chuva.

Mas pensam que é tudo? Não! Tive de começar a trabalhar no duro mais cedo do que o estipulado para ajudar uma colega. Não me sinto arrependido, pois voltaria a fazer o mesmo, mas o problema foi depois: devido ao volume de trabalho duplicado, fiquei mais preocupado e nervoso e cometi um erro estúpido para responder às necessidades do serviço para o qual trabalho. Resultado? Acidente de trabalho no meu dedo indicador direito e que ainda me doi neste momento ao escrever a caneta e papel.

Caneta e Papel?! Ainda não acabou!!! Perguntar-se-ão vocês ao reparar que isto tá publicado no meu blog, o qual faz parte da internet, um mundo virtual! Passo a explicar:

Depois do longo dia de trabalho, pedi a companhia a uma amiga minha até ao metro. Tudo bem! Uma conversa interessante, estimulante, e inocente própria de grandes amigos... Mas eis que sou acusado (na brincadeira ou não...) de no futuro eu vir a ficar uma pessoa bem diferente, mudada e com atitudes que eu simplesmente detesto, abomino, odeio e desprezo!!! Isto porque tenho uma grande sonho e que a probabilidade de o atingir significará que me irei tornar num profissional bastante snob e arrogante! Tal como se pudesse fazer parte de muitos profissionais de saúde que pensam que são os melhores!

Foi a facada!!! Frustração ao limite!!! Senti-me tão ultrajado que até fikei boquiaberto com tais declarações. Não tive outra escolha senão deixar a minha amiga ir embora no respectivo autocarro e depois meter-me no metro onde tou a escrever estas linhas... Não consegui conter!

Sou incapaz de mudar assim tanto e para um resultado tão repugnante! Recuso-me a tal acontecimento! Não faz parte da minha personalidade! Eu gosto de marcar a diferença, de tal maneira que alguém que me queira colocar uma etiqueta, terá de atribuir outras mais para me definir. E mais que marcar a diferença para não ser confundido com os outros, é ser eu proprio e ser feliz com isso. Não é por um dia poder vir a pertencer a um grupo de pessoas bastante diversificada que me vou tornar igual a elas.

Orientem-se! E Bem Hajam! =) * * * *

sábado, 9 de junho de 2007

Anatomia de um Beijo

O que é um Beijo realmente?
O que é isso que vezes tantas
Pensamos que a gente sente?

Muitos de nós gostariam de conhecer
O Beijo húmido e quente,
Suave no desenvolver,
Gentil na carícia exigente!

Lábios com lábios,
Cegos na essência,
São cúmplices, são sábios
Reconhecem a pura carência.
Conhecem o outro plo tacto...
E por esta entrega na confiança
Descansam os incautos
E afligem os seguros.

"Beijo" é aquele que nos deixa suspensos,
Leves, agitados e calmos ao mesmo tempo.
Queremos repetir, com a ânsia de mil alentos!
Sempre na procura de mais profundos sentimentos...

Bem hajam! =) * * * *

segunda-feira, 4 de junho de 2007

Sonatas...

A minha mão escorrega
Pela madeira lacada de preto,
Os dedos com fé cega
Sentem o que a mente lhes manda.

Sinto o cheiro das folhas pautadas:
Velhas, usadas, dobradas...
Chamam pela minha interpretação
ao ritmo do meu coração!

Já não tocava há algum tempo
E não é por isso que toco mais lento,
Mas sim plo sentimento
Que vai longe na memória,
Paz de espírito de uma dor
Da qual já se faz história.

Com esta sonata lenta,
Relembrei a pertença das teclas:
Preto e branco, uma alma que esquenta!
Um ritmo audaz, um coração que se desfaz...
Uma terna familiaridade
De um tom, de uma nota, de uma melodia
Perdida e reencontrada em cumplicidade.

Bem hajam... =) * * * *

domingo, 3 de junho de 2007

Crossroads

Bem, a Vida tem destas cousas... Pensamos que um dia até está tudo estável e predizível, mas heis que nos aparece à frente uma panóplia de escolhas, um cruzamento sem tabuletas e apenas com a distância para o destino que desconhecemos.

Deparei-me com este cenário há cerca de uma semana atrás, com nem mais nem menos do que 4 escolhas! Umas mais fáceis e outras mais difíceis...:
--> Ficar no actual local de trabalho;
--> Ir para hospital de renome com melhor salário e com factor "C";
--> Agarrar a oportunidade de subir na carreira académica na Holanda mas a sobreviver de bolsas de investigação;
--> Ou subir na Vida profissional com salário invejável a todos os níveis num local de eleição como é Londres.

Tirando a primeira hipótese, qualquer uma das restantes é muito apelativa (se pudesse tinha isto tudo mas tenho de estabelecer prioridades, uma capacidade que tenho andado a desenvolver...). Portanto Holanda parece-me irreal dado as dificuldades e futuro eneoado que poderia ter a nível da lingua, sustento, e objectivos a atinjir (a investigação tem os seus riscos, portanto fica por agora de parte). Londres parece-me muito bem! Ganho muitíssimo bem, tou À vontadíssima com o inglês, mas tenho de ultrapassar alguns problemas burocráticos que levam o seu tempo e que podem culminar na perda do aviao da brithish airways... enfim. O hospital de renome fica como plano C a todos os outros se falharem, uma vez k detesto o factor "C" pois eu gosto de mostrar o que valho!... O Hospital actual de trabalho tem alguns senãos apesar de agora tar bem melhor profissionalmente por ganho de respeito e valor (o salário continua na mesma m*rda).

Mas tenho de fazer uma escolha!!! =( Help?...
Se calhar fico-me plo local actual de trabalho mais um tempinho e depois bazo pra Londres, não?
Aceitam-se sugestões!
...

Bem Hajam! =) * * * *

quinta-feira, 31 de maio de 2007

Cromisses!!!

Bem, a pedido de muitas famílias, vou falar/escrever sobre temas verdadeiramente sombrios e depressivos. (Agora tens razão para me comparar a autores verdadeiramente artistas e dizer k xego as unhas dos pés dos mesmos). lol

Atenção, aviso desde já que nada do que irei escrever reflecte a minha actual Vida ou estado de espírito, trata-se apenas de uma aventura pela arte da escrita!
aki vai...


Hoje bem me lembrei
Que para a morte eu bem c***ei.
A sua sombra não me amedronta,
Pois já sei com o que se conta!

O cheiro nauseabundo,
Numa cova bem fundo,
Vermes como companhia,
Disto eu já sabia!

(agora a parte depressiva)

Mesmo assim sou fraco,
E com a depressão ando taco a taco.
Só espero que seja em breve...
A Morte deste que agora escreve...
Não mereço nada deste mundo,
apenas o direito a ser defunto... sniff....

(e cai o pano com o declamador a fazer expressão melodramática, e um cromo qualquer seguro por fios a fazer de anjo da morte)

LOL

Atingi os calcanhares dos Grandes oh sua reles? Ou nem passei da sola dos pés???

Bem hajam! =) * * * *

quarta-feira, 30 de maio de 2007

Manhã Submersa

Não, este não é um título de um livro de um escritor português talvez não tão afamado como devia. Não, Não é um tema lírico de alguém que não tem nada que fazer de manhã.
São 7:10 da matina... dia de greve geral, a 5ª se não me engano desde que Portugal é conhecido como país livre das garras da opressão da ditadura.
Bem, devia fazer greve também mas os meus valores e a noção de que a minha função e missão de profissional de saúde tem de ser cumprida, não obstante a minha vontade de ficar em casa a descansar ou a lutar por melhores condições de trabalho. Afinal de contas já tive tempo mais que suficiente que muita boa gente depende do meu trabalho para terem alguma qualidade de vida na sua já dificil vivência.

O engraçado é xegar ao local de trabalho e ver o cenário de manhã submersa num completo atordoamento: enfermeiros a dormir no interior das suas viaturas; doentes na sala de espera quase a ressonar apenas com o som do notíciário das 7; os administrativos na fofoquise matinal (pois isso é muito importante na dinâmica do serviço); as enfermeiras provenientes dos balneários com fardas cada vez mais transparentes e alheias ao facto de se poder ver a sua roupa interior escura a kilómetros de distância (lol);...
Enfim... só eu é que podia reparar nestas cousas numa hora de seca completa enquanto tou à espera da minha hora de entrada... ligo os computadores, ponho música, faço a gestão (na diagonal) do stock de medicamentos, preparo tratamentos para poderem ser processados... secaaaaannnte!

Podia tar na cama mas n tou... e não me sinto mal por isso! Tenho de tratar pessoas =)

Bem Hajam! =) * * * *

sábado, 19 de maio de 2007

Pseudo-Palavras

A brincar se dizem verdades
E na mais singela palavra
Se diz muito mais que um pensamento.

Sejam simples graças ou vaidades,
A palavra que no nosso discurso lavra,
Bem rebuscada e a passo lento,
Leva a desentendimentos
E menosprezo de sentimentos.

De facto, graças às pseudo-palavras,
Muito Homem a sua sepultura cava….

Mas cavam com prazer!!!
Deixam beleza no discurso!
Para muitos faz-se passar por urso,
Mas deixam um futuro para ler!

Não é só simples leitura corrida!
É um desabafo multi-interpretável
De um momento inefável,
É um sopro da Vida,
É experiência vivida!

...
Ou para muitos, simples pseudo-palavras…
Vaidade camuflada…
Palavras menosprezadas…
Uma verdade errada…

Sorrio a quem me tenta diminuir! =)
Bem hajam! * * *

quarta-feira, 16 de maio de 2007

A Bela Noite

Levanto-me do cadeirão…
É certo, um pouco cansado.
Lembro-me da escuridão
Pela qual passei meio arrastado.

“Vou lá fora arejar…”
Mal chego sinto a brisa vinda do mar
A noite estrelada – “Lindo!”
Ar fresco que agora sinto
É para o espírito doce bálsamo!

São estes prazeres simples que amo:
O som da fauna nocturna, agitada;
O cheiro a terra húmida em tempo quente;
O desejo e recordação do que já não se sente;
Ninguém na estrada…

Suponho que nunca tinha sentido
A noite assim, tão estrelada…
“Bela!” – queria eu que ontem já tivesse sido,
Esta sensação que agora em mim alastra.

Deito-me na relva molhada
E contemplo a vista de céu estrelada.
Este lugar é meu! Pertence-me neste momento,
Sei que essa é a minha vista privada.

Acordo do transe com o frio vento
Sorrio e penso no meu egocentrismo,
“Não é meu, é de quem olha e sente
Como agora sinto e cismo!”
Que devaneio da minha mente!

Que Bela Noite…!

* * *

quarta-feira, 2 de maio de 2007

Meu Pôr do Sol


Há dias belos que revestem o passado.
Lá dizia o velho sábio:
"Não existem tempos felizes,
Apenas momentos felizes."

Viver tem de ser como quem morde o lábio
Sempre atento à realidade,
Ter a noção de que nada é eterno,
E saber que ao lado há (in)felicidade.

Ás vezes choro, outras desato a rir!
Nunca ninguém disse que é fácil!!!
Custa tanto perder o que é ou foi bom
E às vezes nos damos conta que foram em vão
As tristezas que acima de tudo as são!

"E pronto!" Mais um Sol se esconde
No mar da Vida... Não é triste,
É prenúncio de novo nascer!
Futuros momentos felizes virão,
Claro também o sofrer,
Sim, também o desespero,
Sim, também um Fim...

Mas que piada tem viver a Vida
Todinha de seguida,
Sem aprendermos a vive-la?
Conhecer as suas mãnhas?

Agora sorrio! Tenho de ser Forte! Há beleza num Pôr do Sol, mas também a há no Nascer do Sol.
Vou-me sentar a ouvir o mar, os sons da noite e da dúvida, fexar os olhos, rir-me e dizer "Não tenho medo. Eu sei que o amanhecer vem aí!"

Bem hajam! =) * * * *

terça-feira, 1 de maio de 2007

Ajuda

Hoje foi mais um dia de trabalho...
Daqui a nada dou em maluco... em 15 dias tenho um dia de descanso... nem devia tar a descarregar agora o que assimilei do dia de hoje porque daqui a poucas horas tou a trabalhar de novo...!!!
O que me vale é que daqui a 15 dias tou de férias!!! =D Menos mal.

A minha experiência de hoje foi muito reconfortante e fez-me pensar realmente no papel de qualquer um de nós que tem a capacidade de dar a mão a quem precisa. Fez-me pensar na beleza do ser humano e a humildade do mesmo quando agradece.
Estava eu a fumar o meu cigarro (sim... tenho de largar o vício) à porta das urgências e vi um carro chegar com bastante celeridade. Vi uma senhora sair do carro e abrir a porta do passageiro para tirar de lá a Mãe julgo eu. Tudo bem tirando o ar de aflição e sofrimento das senhoras, mas dava para notar quem ia às urgências: a mais idosa, a mãe.
Vinham a comentar se seria melhor trazer uma cadeira de rodas. A "mãe" mal podia andar mas negava que fosse necessária uma cadeira de rodas. Como é óbvio ofereci a minha ajuda e educadamente foi negada.
"OK" pensei eu. Voltei para dentro depois de apagar o cigarro e indiquei o balcão das urgências. Mas sempre tive a mania de olhar para trás... Olhei e vi a senhora em dificuldades depois de ter sido deixada à espera de ser atendida. Lá fui eu em passo acelerado oferecer de novo uma cadeira de rodas pois não haviam cadeiras.

"Obrigada!" ouvi eu! Esboçei um sorriso e respondi "que não é mais do que a minha obrigação". Mas entretanto a condutora meio atrapalhada foi arrumar o carro e ofereci-me para tomar conta da "Mãe".

"Obrigada menino! Sabe... senti-me mal e reparei que a costura rebentou e ando aqui a escorrer sangue! Tive de vir cá... mas a menina enfermeira já me fez o penso em casa." Disse a senhora meio a tremelicar.
"Foi o melhor que fez! Não se preocupe que vai ser atendida num instante!" disse eu a fazer sinal para uma enfermeira que conheço para acelerar as cousas.
"É hora de almoço não é menino?"
"É sim mas já devem tar aí a vir não tarda. Quer que lhe traga alguma cousa entretanto? Não se preocupe que faço-lhe companhia. Um copo de água talvez?" disse eu ao qual a senhora respondeu positivamente com a cabeça.

Lá fui na minha nova demanda! =)
Trouxe o copo de água natural, a qual a senhora sorveu com algum reconforto.
"Sente-se melhor? Não tá muito fria para si espero..." perguntei.
"Oh sim menino. Tá óptima! Muito obrigada!" Foi aí que vi um verdadeiro sorriso pla primeira vez na senhora. No entanto ela nunca olhou directamente para mim... estranho.
Mas logo nesse momento volta a suposta filha condutora meio aflita. Ao ver que tinha tomado conta da mãe, ficou mais aliviada e agradeceu-me. A voz da mãe não se fez esperar:
"Aqui o menino tratou-me muito bem! fez companhia e até água ofereceu!"

Meu Deus! Onde é que eu me vou esconder?!?!? Sinto-me observado, avaliado e um pouco pateta! lol
Agradeci como é óbvio!
Mas o que ouvi depois deixou-me estarrecido...

"Obrigada pelo seu lindo sorriso! Posso não o conseguir ver, mas vou-me de certeza lembrar da sua voz."

Wow...
Ganhei o dia! Sinto-me outro! =D
Voltei para a farmácia e ao trabalho também. Com outro alento é certo, mas sempre a pensar no mistério da gratidão entre a humanidade, a pensar na mão que muita gente naquele corredor podia ter dado e que eu fui o sortudo de poder partilhar esta experiência única.

Obrigado eu!

BEM HAJAM! =D

quarta-feira, 25 de abril de 2007

Repensar a Vida

Mais um dia de trabalho!
Apesar de haver ainda muita gente a dormir neste feriado de 25 de Abril, eu já me levantei e fui para o trabalho...
Dia enfadonho, negro e molhado, mas apesar disso senti-me bem. Sim, especialmente depois de me ter deitado assim que xeguei a casa e ter dormido como há muito não dormia: enrolado no cobertor e numa posição que compromete qualquer circulação sanguínea! lol =x

Levantei-me e fui tomar um café aqui no bairro, despenteado devido à almofada, mas a precisar de um tempo longe de casa e a ouvir o tipico ruido de café ao final da tarde. Acendi o meu cigarro e comecei a bebericar o meu café (quente por sinal porque queimei logo a ponta da língua) e fiquei mais desperto. Nesse momento lembrei-me do que me tinha acontecido à 4 meses atrás, e fiquei com um sentimento misto de amor, ódio, e saudades daquilo que não posso ter mais e também não quero ter. Lembrei-me também que tinha de deixar o tabaco... faz mal à minha saúde e dos outros, tá a trazer más recordações e a minha Vida agora mudou e afinal de contas que raio de profissional de saúde sou eu para fumar e dizer aos outros para pararem de fumar?.

"Acorda para a Vida!" pensei eu oferecendo uma estalada psicológica a mim próprio! Últimamente tenho tido mais tempo para pensar em tudo o que fiz no último ano e voltar a fazer os mesmos erros não é certamente uma cousa própria de uma pessoa inteligente e sensata como eu penso que sou... Bem, a modéstia incita-me a não ter muito destes atributos positivos, mas axo que mereço algum reconhecimento nem que seja da minha parte.

"Pois..." reflecti, "andar assim isolado também não vou a lado nenhum...!". Eu que outrora fui tão social e transparente, agora fecho-me em copas e fujo de qualquer ser humano que possa perguntar "o que se passa".

Bahhhh! A continuar assim fico doido! Tá um dia tão bonito lá fora agora, apesar de mais fresco... Apaguei o cigarro e meti-me a caminho do carro. O caminho da Felicidade tou a percorrer desde que me lembro de ser pessoa. Claro que há um tropeção ou outro mas tenho de continuar!

Tenho de pensar mais na Vida... Faz bem! Carpe Diem!

Bem hajam.

Ensaio sobre o Ódio

Muitas vezes, ao longo da minha existência
Tenho dado comigo a repudiar o ódio.
Faz parte da minha essência,
Não guardar rancor ou pormenor sórdido.

Muitas vezes vejo em mim o reflexo
De quem eu já fui... bati no fundo!
Dirijo pela primeira vez raiva sem nexo
E todo o ódio deste Mundo.

Mas eu não sou assim!...
Não consigo odiar!
Pudera eu dizer agora "Sim!",
"Vou continuar a Amar!"

É facil dizer "Odeio-te!", assim parece...
Não é qualquer um que o merece
Mas tenho de voltar a ser o que sempre fui
Incapaz de odiar, e o ódio que sentir
Transformar em Amor!

E ao fim de mais um capítulo da minha Vida
Me apercebo: "Agora eu vejo!";
"Posso sofrer muito, mas pago de volta com um beijo!"
Axo que «aquele» que comigo frequentemente lida
Reconhece o Homem que fui sempre,
Um simples que apenas reconhece o que sente.

Aqui a mensagem deixo,
Mais do que daquilo que me queixo:
Odiar não vale o esforço de ninguém.
Reconheçam antes o Amor que qualquer um tem!

Bem hajam!

Beijos! =) ***

terça-feira, 24 de abril de 2007

Memórias

Amanha sei...
Destinado está...
Mais velho serei!
Mas,
Com as memórias d'hoje lá.

Ingrato serei amanha?
Arrependido do k hoj fiz?
Triste acordarei de manhã?
Não!... Foi tudo o que quis!

Pudera eu, comigo levar
Os que me apoiam neste dia,
Especialmente aqueles que eu amar!
Nao como apenas recordações...
Indeléveis presenças no tempo...
Sim como profundas "fundações"!
Porque a Vida que ai vem
É como rajada de vento
(daquelas que levam noventa em cem!)

E aki fico velho mais um minuto,
Um pouco mais só com Memórias...
Sim, tenho saudades de quando era puto
Mas isso já são outras Estórias.

Perdidos e Achados

Resolvi finalmente dedicar-me à escrita...
Depois de semanas atribuladas e muito stressantes, achei que guardar tudo comigo não é nada saudável e que sendo eu um livro aberto deveria ao menos mostrar-me às pessoas.

São 2:33...
Talvez não deveria começar a escrever...
A noite há muito já se fez
E amanha profissional tenho de voltar a ser.

Mas o meu testemunho é incentivador,
Muito sobre a Vida vou falar.
É especialmente dedicado àqueles que sentem dor,
Mágoa, solidão, ou um simples pesar.

Não pretendo ser melancólico
Ou talvez queixinhas...
A Vida não é só feita de rimas
E palavras bonitas ou rebuscadas

Mas o que realmente se passa comigo?
Humores trocados?
Paragens cerebrais a que já nem ligo?
Penso muitas vezes no que me causa isto...
Se é a vivência de tempos passados,
Olhares ignorados?
Chega de lirismo! A VIDA NÃO É PERFEITA!!! está antes muito longe disso!

A Vida preencheu-me de muitas pessoas. Umas vão, outras ficam, outras desiludem, outras enaltecem o meu espírito humano e provocam um sincero sorriso e um humilde "obrigado" da minha parte. A verdade é que cheguei à conclusão de que quantas mais pessoas conhecemos e julgamos nossas amigas, maior é a probabilidade de sairmos magoados com algumas...

O resultado é variável, é certo. Mas o desígnio deste tipo de vivência encontra-se mais profundo na nossa condição de seres humanos. Quero dizer com isto que há pessoas que nos marcam positiva e negativamente, e as que marcam mesmo levam a nossa Vida a outro rumo:
A título de exemplo, alguém que nos magoa tanto que julgamos que a nossa vida acabou. D repente aparece outra pessoa na nossa vida para preencher o que nos faltou antes, seja atenção, carinho, respeito, amor, amizade, reconhecimento, etc...

A nossa visão do mundo muda drasticamente... pensamos que tudo acabou! "O que é isto? não tava à espera! Mereço?"

A Vida só acaba quando dermos o nosso último suspiro... cruelmente pensamos muito em simplesmente desistir de tudo enquanto há muitas pessoas que dariam tudo para ter o contrário: Não desistir e lutar por uma Vida.
Há sempre uma saida, uma mensagem escondida mas acessivel, um amigo que nos dá a mão, um desconhecido que se quer dar a conhecer, uma esperança ténue de que tudo vai correr bem.

Tudo não passou de um tropeção na calçada... Ergui-me, olhei, acreditei, e voltei a andar para a frente.

Isto é tão verdadeiro para mim como para todos nós. As feridas continuam lá, mas só servem para nos rirmos delas mais tarde e pensarmos "do que me safei!"

Vai já demasiado tempo para me preocupar com "Perdidos", vou-me dedicar aos que em mim continuam presentes e aos mais recentes "Achados".

A Vida é BELA!

Obrigado e desculpem demasiada encriptação!

Bem hajam. :)