domingo, 17 de junho de 2007

Chuva

Não consigo dormir...
Levantei-me da cama,
Fui para a janela sentir
O fresco da noite que me chama,
A chuva que no vidro bate...
Para que talvez esta insónia mate.

Não vi mais do que árvores agitadas,
Silêncio em vão interrompido
Pelas gotas de água em folhas molhadas
Numa noite de sono não vivido...

Eu, que até a noite amo!
Aprecio a chuva e o vento!
...Adoro este momento!
De ficar à janela entreaberta
E sorrir à adversidade como cousa certa!

No entanto tenho de dormir...
Da falta de descanso não posso rir...
Fecho a janela e volto ao leito,
Aconchego-me nos lençois a meu jeito,
E mais um esforço faço
Neste meu mundo, neste meu espaço.

"Boa noite..." a mim mesmo desejo.

Sem comentários: