terça-feira, 18 de novembro de 2008

Minha Cidade

Colinas da minha gente
Ondulantes no meu pensamento
A toda a hora sempre diferente,
Mas nunca no sentimento!

Colinas cruéis da Cidade,
Fazem-me só, abandonado
À tua mercê na Noite encantada...
Tivesse eu perdoado a verdade
Que me dás, não me teria revoltado!

Sinto a tua brisa, pelas ruas, ecoada,
Sinto as tuas gentes, os teus perfumes doces,
Os teus caprixos de cidade amada...
Como se minha sempre fosses
A Cidade do meu pensamento,
A inspiração que vem de dentro
Do meu rio de provações...
Meras recordações...

Minha Cidade,
Meu tormento...
Singela na verdade,
Arrebatadora neste momento...

Sem comentários: