terça-feira, 11 de novembro de 2008

Noite Fria...

Noite especialmente fria...
Lua escondida na penumbra
Da escuridão de peito ferido...
Chorando o que mais queria,
Sinto a negritude desta sombra
Negando-me esse pedido...

A lágrima gelou-me o coração...
Veio à memória a imagem
Desvanecida de um redondo "Não"
...Tão longe... como uma aragem
Tão gelada que arrepia a Noite...

Olho para os seres da rua,
Impávidos perante esta dor.
A noite é fria mas é sua
No seu direito à neutra cor.
Treme de frio, toda esta flora?
O que sentem nesta hora?

Volto para o meu reino perdido
Lembrando o teclado polido
Do piano junto de um choroso girassol...
"É linda a música" disse, terminando em sol,
"É para ti" e jurei exclusividade...
Ó triste e dolorosa verdade!
Apertas-me o coração em pedra!
Deixas a minha alma em queda!

Hoje é a solidão que me pede atenção.
Já não há bater de coração...
Não há girassol colorido...
Apenas um sentimento perdido...

Noite fria que é esta...
Leva esta pedra que me resta!...

Sem comentários: