terça-feira, 4 de novembro de 2008

Piano

Branco e negro, brilhantes,
Na minha alma de pseudo-artista,
Dos meus pensamentos divagantes,
Disfarçando o romancista
Que não quero ser...

Escolho a escala adequada
A mais um novo renascer.
Um dó, um ré, outra nota indicada...
Correspondes ao som que quero?
Ajudas-me no fado que venero?

Piano, Pianíssimo...
Forte, Fortíssimo!
"Alegro vivace" nos meus dedos
Cariciando sem medos
O teu geométrico corpo polido
Das muitas músicas que já tens vivido...
Das que já choraste lágrimas sonoras
Da amargura que te dou.
Já gritaste imagens que devoras
Em notas, arpejos, dedos em pleno voo

Desculpa meu Amigo...
Deixei-te abandonado tempo cruel...
Olhei mais para o meu umbigo
Do que para o bom que me dás como mel
Doce! Suave! Reconfortante... Meu abrigo.

Entrego-te minhas mãos e dedos
Em Sonatas, Tocatas, Romantismo
Francês e Russo e Jazz, contra os penedos
(Concerteza um eufemismo!)
Que são muitos corações em degredos!

A minha Musa guia-me na escuridão
Encontro as tuas teclas exigindo ser tocadas
Não querendo menos do que serem amadas.
Querem que eu toque directo do coração...

Heis aqui a minha mão
Meu Piano...

2 comentários:

tanya disse...

Muito bonito Henrique! Não sabia que existia em ti esse músico escondido...

beijinhos*

Anónimo disse...

=) Brutal!

até o meu piano se arrepiava se eu lhe lesse isto =p

beijinhoss