terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Silêncio

No silêncio da minha mente,
No silêncio da minha alma,
Procuro a paz inerente
A um imaginado Mundo de calma...

No silêncio das palavras escritas,
Na sensação das frases já ditas
Em silêncio no meu coração
Chamando a necessária razão,
Para arrumar as minhas preocupações
Em local pacífico sem confusões...

Pocuro o silêncio no meu pensamento
Esperando o dia seguinte e inevitável,
Sentindo todo o inesquecível e inefável e
Esquecendo o que nos dói no sentimento...
Paz de espírito... Silêncio...

Escondo-me momentâneamente
Dos olhos a quem não sou indeferente...
Sujeito-me ao silêncio inquietante
Esperançando que não passe de um instante
No que me aflige, corrói e magoa
Tento no silêncio esquecer
O que cá dentro dói e ressoa!

Que me resta, senão no silêncio adormecer
Para amanhã acordar e de novo renascer!

1 comentário:

Inês Domingues disse...

Hum... giro... perseguição talvez...mas espero que este não seja o prometido poema que só eu entendo...

Beijocas

Inês Domingues