domingo, 25 de janeiro de 2009

Too much Love will kill you

Já há muito tempo que não escrevo em prosa. Habituei-me à Arte de não me mostrar completamente e dar algum espaço para interpretação a mim próprio, quase numa de introspecção... A poesia tornou-se minha amiga e companheira de todos os momentos: os bons e os maus, não para me destacar da multidão, não para um público ciente de todas as minhas vivências pois muito do que escrevo são cousas que só a mim me dizem respeito e eu conheço de olhos fechados.

Nos últimos tempos tenho andado num coma disfarçado, num estado que eu agora repudio com todas as minhas forças! Deu-me forte... forte a valer... A verdade é que agora sinto vontade de desabafar e libertar isto que me corrói por dentro e me está a tornar uma pessoa pior e fria e incapaz de seguir em frente.


Houve uma pessoa a quem eu fiz tanto de bom com tanto altruísmo que me esqueci de pesar o Amor (o verdadeiro) que era dado de ambas as partes... Conclusão? No final de tudo Amei demais!... Erro que frequentemente cometo mas que desta vez me destruiu por dentro. Lá dizia o Sr. Mercury na sua música "Too much love will kill you":


I'm just the pieces of the man I used to be
Too many bitter tears are raining down on me
I'm far away from home
And I've been facing this alone for much too long

Oh, I feel like no-one ever told the truth to me
About growing up and what a struggle it would be
In my tangled state of mind
I've been looking back to find where I went wrong

Too much love will kill you
If you can't make up your mind
Torn between the lover and the love you leave behind
You're headed for disaster 'cos you never read the signs
Too much love will kill you every time

I'm just the shadow of the man I used to be
And it seems like there's no way out of this for me
I used to bring you sunshine
Now all I ever do is bring you down, oooh
How would it be if you were standing in my shoes
Can't you see that it's impossible to choose
No there's no making sense of it
Every way I go I'm bound to lose, oh yeah

Too much love will kill you
Just as sure as none at all
It'll drain the power that's in you
Make you plead and scream and crawl
And the pain will make you crazy
You're the victim of your crime
Too much love will kill you every time

Yeah too much love will kill you
It'll make your life a lie
Yes too much love will kill you
And you won't understand why
You'd give your life you'd sell your soul
But here it comes again
Too much love will kill you
In the end
In the end

Ufff... Ainda sinto que tenho de deitar mais para fora. Tive doente e agora sinto-me curado apesar disso!

Segunda conclusão?... Pois, por muito bom que tenha sido, por muito que me tenha feito crescer enquanto homem e enquanto pessoa, por muita lágrima que me tenha caido da face ou por muito sorriso e gargalhadas em plena cumplicidade, por muitas provas dos dois lados, agora vejo que essa pessoa não me merece, não pelo tempo que durou mas sim pelas razões que levaram a ter acabado.


É triste admitir isto... Não me arrependo de nada, não rasgo fotos ou lembranças porque fingir que não aconteceu é recalcar para um dia me recordar e me tornar numa má pessoa, mas gostei de a ter conhecido! Arrisco-me a dizer que a considero uma grande amiga apesar de algumas atitudes que me fazem confusão... Arrisco-me a dizer que se ela um dia precisar terá um ombro amigo "with no strings attached"... Arrisco-me a ouvir outra vez: "Sabes porque gosto de ti? Porque tu não pedes nada em troca!..."

Porra! Mas não consigo ser diferente...

Porra! E agora onde me agarro? Ao trabalho, à minha vaidade adormecida, a quem eu me dedico e se deixa ser alvo da minha dedicação, às pequenas cousas do dia-a-dia que trazem felicidade, às pessoas que precisam de mim, à Arte!


Serei mais frio hoje do que antes? Not a chance! Serei sempre o emocional e open-minded de sempre!

Mas aprendi... Too much Love will kill you!... Não cometam o mesmo erro! Pela vossa saúde emocional!

14 comentários:

Tati disse...

É como diz um certo Senhor, por quem não nutro grande simpatia, mas que, por vezes, até diz umas coisas acertadas. É por isso que me arrisco a concordar:

"O amor é fodido. Hei-de acreditar sempre nisto. Onde quer que haja amor, ele acabará, mais tarde ou mais cedo, por ser fodido. É melhor do que morrer. Há coisas, como o álcool e os livros, que continuam boas. A morte é mais aborrecida. Por que é que fodemos o amor? Porque não resistimos. É do mal que nos faz. Parece estar mesmo a pedir. De resto, ninguém suporta viver um amor que não esteja pelo menos parcialmente fodido. Tem de haver escombros. Tem de haver esperança. Tem de haver progresso para pior e desejo de regresso a um tempo mais feliz. Um amor só um bocado fodido pode ser a coisa mais bonita deste mundo(...)"

Keep smiling, porque isso sim...é o que realmente importa! :)
Smiles!

... Henrik ... disse...

Quem é esse senhor?!?!?

Sim, realmente o que importa mesmo é continuar a sorrir face às adversidades! Temos de aprender com o passado

À nossa frente está sempre um futuro, mas é em nós que devemos cultivar a esperança e a felicidade!

=) * * *

Inês disse...

ora como não respondeste cá vai...

"Who am I?"......."Who am I, to need you when I'm down,and where ar you, when I need you around...." é a primeira frase de uma canção dos Smashing Pumpkins... ter este título num poema sem as belas aspas...Pode ser discutível, mas ter este título da música dos Queen sem aspas... ainda te acusam de plagio... depois admira-te...
quando à tua, ou Às tuas desilusões de amor...
"love is suicide..." (smashing pumpkins)

Inês Domingues...

Milú disse...

Olá
Concordo com tudo o que escreveste á Polo Norte!!!
Já agora...a Tati só pode estar a falar do MEC
Beijos

Tita disse...

Saúde emocional. Trata-se disso mesmo. Gostei muito. Muito mesmo.

tanya disse...

Lamento informar-te mas esse erro é praticamente impossível de não cometer e até me atrevo a dizer que nada seria como é se não amássemos demais, pelo memos uma vez na vida. O sofrimento, uma dia acodas a já não te lembras dele e quando a felicidade irromper por ti adentro, vais reconhecê-la de imediato!

Restelo disse...

Verdadeiramente broken hearted fiquei uma vez e não foi há muito tempo. Daí aquele desabafo do "guys have no balls"... Neste momento, acabo por me dedicar ao trabalho e a divertir-me... Oh well, o prince charming virá um dia e afinal de contas o Harry agora é solteiro.

Tânia Santos disse...

O ""amor"", palavra que não gosto de utilizar, é fodido realmente, e incompreensivel! Especialmente quando atingimos um tal nivel de frieza que deixamos de saber o que isso é, de notar sequer quando está presente, e de compreender porque está ausente! Até que deixamos de ve-lo na nossa vida, por opção propria! ...

Uma palavra para ti:

DELICATESSEN
...

"I'm through with love"

Tânia Santos disse...

NOTA: confirma-se, afinal não da para por videos como tags!!!

hehehe

***

Dianinha disse...

Um dia disse "porra!" muito alto e muitas vezes seguidas.

Num outro dia voltei a dizê-lo ainda mais alto e com mais força. Foi um "porra" de raiva, enquanto que o primeiro tinha sido de tristeza.

Tudo porque em ambos os "porras" amei demais. Demais.

Talvez um dia em vez de "porra" digamos "aleluia!" :D

O importante é mesmo o (sor)riso ... um cliché que muito tem de verdade porque foi o que me mantuve sã durante tantos "porras"!

ufaaa ... e não é que também me soube bem desabafar? :)

* * *

... Henrik ... disse...

A técnica do "porra" em repetiçoes de uma série, com um interregno e nova série com mais intensidade nas repetições é uma muito boa técnica e bastante eficaz!

Obrigado! =D

Tenho é de fazer isso longe de pessoal que me conheça...

Quanto a ti tânia, volto a dizer o que já te disse uma vez: "vais engolir essas palavras, e eu hei-de estar lá para ver e depois saber se me dás razão ou não"

Amar demais é um erro quando não existe nada do outro lado. Amar demais quando somos correspondidos alimenta e cuida a relação, num género de competição saudável.

Acreditem no Amor (o verdadeiro)! As cousas boas da vida tão reservadas às pessoas boas nesta vida!

Obrigado a todos! * * *

Madame Butterfly disse...

Esta música sempre me tocou na alma especialmente. E, na realidade, acredito que em tudo na vida é preciso conta peso e medida, até no amor. Talvez isto pareça frio e pouco romântico mas a verdade é que sou muito mais feliz desde que percebi este facto.

Eu mesma! disse...

Permite-me discordar mas... nunca se ama em demasiada...

eu também já pensei como tu... num determinado momento da minha vida considerei que tinha amado de mais... que a pessoa não me tinha realmente merecido mas...

depois cheguei à conclusão que sim... a pessoa não me merecia mas... se eu tivesse amado de forma diferente deixaria de ser eu própria...

por isso agora digo... e acredito que sim... que amar nunca é demais mas... é preciso é saber quem é que deveremos amar....

Mona Lisa disse...

Como eu te percebo..Se calhar é por isso que essas cenas do amor nunca foram o meu forte. Fujo disso sempre que posso lol(o que também não é uma boa estratégia, mas enfim..)