segunda-feira, 9 de março de 2009

Karma


Em Tempos conturbados
De gentes mal intencionadas,
Nascem actos celebrados
Por pessoas gratuitamente dadas.

Um jovem ajuda um indigente
Com uma sopa há muito esperada,
Um outro oferece roupa já não usada,
A quem precisa e agradece veemente...
Outro oferece palavras e tons reconfortantes,
Actos e atitudes verdadeiras
Num estranho dar sem mais saber ou querer...
A Luz que outro dá a quem secretamente necessita
Dá provavelmente tanto quanto uma Vida.
Outros preferem nada fazer,
Num egoísmo louco nada obter,
Apenas para eles viver...

Todo o Amor que dás,
Toda a bondade que geras,
Pode meter-te em boca de feras,
Pode sofrer em ti em tudo que se faz
Mas... Se esperares por não esperar,
Retorna a ti até num singelo e doce olhar,
Num sorriso humilde e reconhecedor,
Num sincero "obrigado" sem se envergonhar,
Num abraço apertado sem pudor...

O "Karma" tece a sua inevitabilidade:
O que em ti se originar,
A ti retornará em plena verdade!
Seja um sincero Amar ou um tenso Odiar...
... Inevitável como expirar e inspirar ...



Olho como observador e personagem neste Mundo...
E Sorrio!
É tudo isto que vejo!...
"Faço por ser bom, e por vezes recebo o melhor que as pessoas me podem dar, a sua felicidade!"

8 comentários:

Mona Lisa disse...

Eu acredito plenamente que todos os nossos actos têm consequências que mais cedo ou mais tarde acabamos inevitavelmente por sofrer. Infelizmente há pessoas que nunca chegam a pagar pelo mal que fizeram, pelo menos não nesta vida. E isto dá que pensar. Por um lado acredito que quem dá amor, recebe amor..quem faz bem, recebe coisas boas. Mas e as pessoas que sofrem? E as pessoas que passam por coisas horríveis devido à outros? Se tudo isso do karma for verdade, então isto significa que quem passa por essas coisas já fez coisas horríveis para merecer esse mal. E com isso não consigo concordar, por uma série de razões. Mas enfim..de qualquer forma acho que tu querias abordar uma questão diferente..Eu é que me lembrei ditso ao ler:) Foi um pequeno desvio ahaha
beijos***

... Henrik ... disse...

Mona Lisa,

Era esse mesmo desvio em que queria que pensasses!

O Mundo perfeito seria aquele que se rege pelo "cá se fazem, cá se pagam". Felizmente ou infelizmente nem sempre é assim. Parece que falo agora contra o que escrevi, esclareço-te que tal não é assim, mas também partilho da tua opinião! Há por aí muita gente que tá longe de pagar pelo mal que fizeram e muita gente ao qual falta o Amor que deram gratuitamente ao Mundo.

Se pensares bem, é uma questão de acreditar que realmente o karma é como o descrevi. Quando te aperceberes que tem ponta de verdade vais querer mais e mais, e aí eu acrescento a "Inteligência Emocional" que um dia te disse que era importante ter: Quando não encontrares a justiça nos actos que as pessoas cometem podes sempre dar-lhe pouca importância emocional e seguir o teu padrão de comportamento (seja ele fazer o bem ou fazer o mal).

Só te garanto uma cousa nisto tudo do Karma: Quanto maior o amor que dás neste Mundo, maior a probabilidade de o receberes em troca mesmo sem o esperares, o mesmo se aplica ao ódio que deres ao Mundo. O Amor gera Amor, o Ódio gera Ódio...
É preciso tempo, sofrimento e muita inteligência emocional para te aperceberes disto (a mim custou muito...) Mais ainda é necessário para continuares a dar Amor ao Mundo sem te desmotivares com os Ódios que vais recebendo de vez em quando! Quando começares a sorrir de cada vez que recebes esses reforços negativos, mais o transformas em reforços positivos. Tu que gostas tanto de contrastes vais compreender isso.

Já pensaste, se da mesma maneira que hoje em dia se poupa água com o contributo de todos e sem a ideia de que sozinhos não fazemos a diferença, na realidade se poupa água... Imagina o que seria se todos nós dermos Amor em vez de Ódio? Utópico? Irrealista?

Mas cai-se frequentemente num erro quando pensas como eu: O teu conceito de justiça é distorcido... e muitas vezes acabas por o esquecer completamente quando o tens de aplicar a alguém que só fez bem ou só fez mal, e por isso "merece" o pagamento na mesma moeda. Mas erro maior é perseguir a justiça de modo a fazer alguém "pagar" pelo que fez... Caisse no erro de querermos fazer mal por vias justificadas e moralmente aceites, logo ficamos sujeitos a um dia alguém o fazer connosco.

E continuo a dizer, a liberdade é tão somente o admitir que somos responsáveis pelas nossas opções: Boas ou más, acabamos sempre por sentir as suas consequências e cabe-nos a nós termos a responsabilidade de as aceitar.

Dá que pensar não dá?

Beijo especial! * * * * * =)

Mona Lisa disse...

"Quando não encontrares a justiça nos actos que as pessoas cometem podes sempre dar-lhe pouca importância emocional e seguir o teu padrão de comportamento (seja ele fazer o bem ou fazer o mal)".

- Pois é...Isso é muito bonito e fácil de se dizer, mas infelizmente na prática nem sempre funciona desta forma. Há coisas que não podemos (nem devemos) ignorar e seguir com as nossas vidas como se nada fosse.Por vezes é completamente impossível dar pouca importância emocional, especialmente quando estamos a falar da nossa vida.

"O Amor gera Amor, o Ódio gera Ódio..."
- Certo. Mas tu consegues amar alguém que só te fez mal? Aposto que nem indiferente consegues ficar, quanto mais amar. (Ou se por acaso consegues...bem, neste caso estamos a falar de um nível completamente diferente de aperfeiçoamento). Eu certamente ainda não cheguei lá e muito provavelmente em relação à determinados assuntos não chegarei nunca. E ainda bem. Porque devemos amar aqueles que merecem ser amados. E a verdade é que nem toda a gente merece ser amada. Cruel? Pois, tal como a própria vida.

"Imagina o que seria se todos nós dermos Amor em vez de Ódio? Utópico? Irrealista?"
- Eu não pedia tanto. Bastava que não houvesse pessoas que fazem mal aos outros. Ninguém gosta de toda a gente. Há pessoas que te agradam e outras que não te agradam. É o normal e não vejo mal nenhum nisso, não podemos agradar a gregos e a troianos. Desde que ninguém faça mal aos outros de forma intencional, eu acho óptimo.

"Mas erro maior é perseguir a justiça de modo a fazer alguém "pagar" pelo que fez..."
- Não concordo com isso. Então tu sugerias o quê? Ficamos a rezar para que a pessoa pague pelo que fez depois de morrer? Por vezes faz todo o sentido perseguir a justiça, alguém tem de o fazer. Um dia todos seremos julgados pelo que fizemos, acredito nisso. Mas neste momento estamos todos cá e nesta Terra também existem leis e regras. Se alguém não as cumpre deve pagar.

"E continuo a dizer, a liberdade é tão somente o admitir que somos responsáveis pelas nossas opções"
- E é importante não esquecer também que a nossa liberdade acaba onde começa a do outro.

Mas no geral concordo com as tuas ideias:) beijos

Daniel Silva disse...

É um tema quase filosófico, este. Devemos usar a vendecta privada? O olho por olho, dente por dente? Será por muito "sofrimento emocional" que nos legitimamos pagar na mesma moeda para verem como dói? Tantas perguntas e variáveis que sairiam daqui sem resposta definitiva porque onde existe uma pessoa existe o erro (é proprio da condição humana) e pessoas ha que admitindo-o ou nao, se corrigem, o que nos remeteria para outros temas como o perdao e nao apenas essa do "karma".

Eu acho que karma é aquilo que nós fazemos da vida. Nao subscrevo o determinismo do martinho Lutero porque o futuro nao está num qualquer karma, no tantra ou no óctuplo caminha para a paz, mas sim nas nossas mãos. A vida é dinâmica e, é essa dinâmica que lhe imprime tonalidades que se hoje são assim amanhã ja nao o são, e entao onde ficam os nossos conceitos e as nossas certezas?

Muitas vezes há que ser socratico sem deixar de ser pragmatico, mas sobretudo sensato. A sensatez é talvez a melhor ferramenta que conheço no ser humano.

Karmas, talismãs, whatever... são apenas pequenas muletas que as pessoas usam para se ajudarem, legitimando-se na confiança que afinal nao têm nelas...

Abraço

Miss Glitering disse...

"Sou uma pessoa muito peculiar...". És uma pessoa muito especial, isso sim.

Beijos e.. obrigada *

... Henrik ... disse...

Mona Lisa,

"Há coisas que não podemos (nem devemos) ignorar e seguir com as nossas vidas como se nada fosse.Por vezes é completamente impossível dar pouca importância emocional, especialmente quando estamos a falar da nossa vida."
- Não menosprezo a tua vivência, nem a de ninguém. Na verdade, há cousas até na minha Vida que me custam esquecer (e talvez perdoar...) por muito sofrimento que me coube na volta por parte de quem não foi muito sensato nas suas intenções e acções. Mas é possivel Viver com isso de maneira positiva! Acredita! Faz um esforço! Eu sei que custa, mesmo não sabendo o que aconteceu, já deu para reparar que foi algo demasiado marcante para ti, foi algo que resistiu ao passar do tempo e ainda te magoa. És livre de odiar quem te fez mal (eu condeno quem te fez mal... mas não axo legítimo desejar mal a quem quer que seja, o máximo que posso fazer é reprovar o que foi feito, mas eu sou assim). O passado jaz "lá para trás" na sepultura, mas ainda tem lá a lápide para nos lembrar... O presente e o futuro é muito mais importante!

"Mas tu consegues amar alguém que só te fez mal? Aposto que nem indiferente consegues ficar, quanto mais amar. (Ou se por acaso consegues...bem, neste caso estamos a falar de um nível completamente diferente de aperfeiçoamento). Eu certamente ainda não cheguei lá e muito provavelmente em relação à determinados assuntos não chegarei nunca. E ainda bem. Porque devemos amar aqueles que merecem ser amados. E a verdade é que nem toda a gente merece ser amada. Cruel? Pois, tal como a própria vida."
- Subscrevo o que dizes, especialmente as 5 últimas frases. Se consigo amar quem me fez mal? Depende do quanto me fez mal: já odiei (só me consumia a mim próprio), já tentei amar (magoei-me ainda mais), já tentei esquecer (impossível...) e agora não me é indiferente mas consigo viver com isso e sigo em frente com um sorriso! Também ainda não alcancei esse "aperfeiçoamento", nem desejo alcançar, axo que já entendes porquê.

"Desde que ninguém faça mal aos outros de forma intencional, eu acho óptimo."
- Maldade e intencionalidade é gravíssimo... (Quem é que te fez tanto mal... tu não mereces isso, merece muito melhor!)

"Mas neste momento estamos todos cá e nesta Terra também existem leis e regras. Se alguém não as cumpre deve pagar."
- Infelizmente a sociedade não criou leis para muitas cousas, de tal forma que muita gente ainda sai impune. Neste caso não axo legítimo. Não me interpretes mal: Acredito no castigo adequado, acredito no julgamento pelas leis escritas, acredito na justiça (Bem... a portuguesa já viu melhores dias...lol!). Mas o que ganho eu ao fazer aos outros o mesmo mal que me fizeram? Extase? Felicidade? Paz de espírito? Eu acredito que quem faz mal a alguém neste Mundo, mais tarde ou mais cedo acaba por sofrer as consequências, quer sejam às mãos de gente ainda pior ou às suas próprias mãos! Apesar de eu ser um homem espiritual (tu sabes o quanto) ainda não acredito plenamente na justiça depois da morte biológica (afinal de contas ainda sou um homem de ciências e não um esotérico...)

"E é importante não esquecer também que a nossa liberdade acaba onde começa a do outro."
- Boa! =D Essa foi muito boa! Realmente essa noção de liberdade é bem verdadeira e eu subscrevo! Mas a liberdade que eu falo (e Kant também...) é a liberdade obtida pelo assumir responsabilidades pela opção de respeitar ou não a liberdade (essa liberdade que falas) do outro e vice-versa.



Cada vez mais fascinado contigo Mona Lisa... Suscitas o inteligível, o cerebral e o emocional em mim! PERFECT! (Na noção realista de perfeição, faço notar!)

Beijo especial! =D * * * * *

... Henrik ... disse...

Daniel,

"Nao subscrevo o determinismo do martinho Lutero"
- Pois, nem eu! =P Um homem vale pelo que ele faz neste Mundo, e o homem não está sujeito ao destino ou outro qualquer sinónimo, mas sim, está sujeito ao resultado das suas acções.

Qual é o resultado das nossas acções? Essa sim é uma muito boa pergunta... Só posso responder com teorias de sábios, cientistas e génios já falecidos: A Teoria do Caos, O Princípio da Incerteza de Heisenberg aplicado às acções humanas, O Gato de Schröendinger, e a Teoria da Relatividade Especial de Einstein. No geral, é tudo uma questão de probabilidades (um benfeitor tem grande probabilidade de ser louvado, e um malfeitor tem grande probabilidade de ser julgado e condenado)!

"A sensatez é talvez a melhor ferramenta que conheço no ser humano."
- Subscrevo!

"Karmas, talismãs, whatever... são apenas pequenas muletas que as pessoas usam para se ajudarem, legitimando-se na confiança que afinal nao têm nelas"
- Entende como quiseres! =) (discordo...) Eu usei o Karma como tema do que escrevi para melhor ilustrar o que vejo e vou comprovando, como um cientista observa e regista! É claro que cada caso é um caso, mas dá para ver um padrão. É esse padrão que eu defendo porque o vejo todos os dias, no trabalho, na vida social, na rua, na família, na vida privada, nos amigos e conhecidos! Claro... há excepções: "outliers", falsos positivos e falsos negativos...

Obrigado pelo teu comentário Daniel! És sempre bem vindo! (já viste o post que prometi que fazia e que tu também sugeriste?)

Abraços! =)

... Henrik ... disse...

Miss Glitering,

Então sou especial porquê??? O que fiz eu assim de tão especial? Sim, considero-me uma pessoa peculiar no sentido de ser único e irreprodutível na minha maneira de ser e estar...
Mas ser "especial" para mim é mesmo ser "ESPECIAL", por isso não tou a ver como me podes considerar especial! =)

Mas fica descansada! Ainda vais ver que essa saudade de que te queixas (julgo ser alguém que amas muito, daquelas mesmo "especiais!!!"), te vai ser muito benéfica no reencontro. Porque quem quer, quer mesmo, e mesmo que hajam alguns obstáculos, mais tarde ou mais cedo são ultrapassados para assassinar essas saudades sem piedade e misericórdia!

"Se dois querem dançar o tango, então que comece a tocar o acordeon e restantes instrumentos!" Foi o que um professor de danças latinas me disse a semana passada!

Beijo e levanta esse astral por favor! =)