sábado, 14 de fevereiro de 2009

Hedonismo na espera


O vento lá sopra a inevitibilidade
D'aquele encontro sem iddade,
Na espera que nunca é lenta
No sacrifício apresentado nesta senda

Não há leões petrificados na espera
Não há ninguém que roube essa fera
De dias glórios e aguerridos,
Onde ganhou muitas palavas e tons feridos.

Soma-se estoicamente a espera
Elevando-se o espírito a outra esfera
Mais inteligível onde manda a razão,
Onde se renega a emoção.
Aqui já só há leão petrificado.



Não mais do que um Leão espectante,

Com atitude estóica e determinante.
Sabendo que com a espera que alcança
Obterá cousas bonitas das quais não se cansa
Sabe que parte da espera é hedonismo,
Uma felicidade alcançada pelos nosso intervencionismos.

2 comentários:

Mona Lisa disse...

São poucos os que sabem esperar e fazer as coisas na altura certa. Alguém diria, mas há uma altura certa para tudo? Há! E por vezes a espera compensa. beijos...

... Henrik ... disse...

Por outras palavras: "Quem espera sempre alcança".

É um jogo de paciência, este em que somos as peças e onde o objectivo é ser feliz: pode ser só por um momento, ou enésimos momentos, seguidos ou espaçados... depende da sorte e da inteligência emocional do jogador.

Mas fica-me essa na cabeça... "São poucos os que sabem esperar e fazer as cousas na altura certa"... Ficou-me para pensar, e definitivamente para fazer parte do meu "savoir vivre"!

Espero ser um elemento desse grupo dos que sabem esperar.

Beijos e obrigado Mona Lisa.